domingo, 28 de setembro de 2014

Monólogo do Turbilhão

Faz de conta que ela não estava chorando por dentro, pois agora, mansamente, embora de olhos secos, o coração estava molhado; ela saíra agora da voracidade de viver.                  Clarice Lispector

Ela se mantinha naquela sala escura a madrugada toda e já amanhecia, próxima da janela se encontrava onde o sol já batia e os pássaros lá fora assobiavam alegremente.
Ela se perguntava a todo momento o que devia fazer(?) Tudo que havia conseguido fazer até aquele momento era manter esse sentimento preso no coração..


Não consigo perdoa-lo tudo o que ele fez não saia de dentro de mim.É um sentimento horrível que mantenho aqui, talvez nunca tenha me sentido por tanto tempo assim com alguém que amo. Porque você fazia isso? Porque machuca as pessoas que amo? Um dia rimos juntos, você compartilhou suas experiências e me ensinou a andar, e agora o que estava fazendo? Está me perdendo.

Ela se mantinha naquele turbilhão de pensamentos, naquela sala, naquele quadrado...
Parava, e enquanto olhava pela janela, observava que o mundo lá fora permanecia vivo. Os pássaros voavam, o vento soprava e ela se mantinha lá dentro e não conseguia sair.
 Um momento ela se sentiu cansada, e seu corpo já não aguentava as horas mal dormidas, e acabou que adormecendo ali mesmo. O sol se mantinha lá fora brilhando, talvez quando ela acordasse resolvesse sair daquele lugar e ir em busca de ser mais feliz, ser grata a vida pelo que tinha conquistado até ali. Quando o despertador tocou, ela optou por dormir alguns minutos a mais.






sábado, 27 de setembro de 2014

domingo, 21 de setembro de 2014

O Seu sorriso


Assistindo um filme atentei para um dos personagens e uma das suas características marcantes, o seu sorriso. Mas continuando a assistir, analisava todo aquele garoto, algo me incomodava naquele sorriso, uma tontura e arrepio viam a todo instante. 
E parando um pouco aquela agonia, percebi que o motivo de tudo aquilo era porque me fazia lembrar o sorriso de uma pessoa. 
Sabe aquelas coisas da vida que ficam marcadas? Uma palavra, uma foto, um gesto ou um abraço? 
Aquele sorriso havia sido marcado em um rosto, de um garoto e que ao mesmo momento era de um homem. Que tinha uma barba mau feita, e que me incomodava...mas com aquele drama, me agarrava e me fazia desistir e me entregar nos seus braços. 
E olhando bem para sua boca, lábios carnudos e molhados, um sorriso inesperado surgia. E era único! Aquele sorriso que não era forçado, que me fazia ficar paralisada toda vez que o encontrava. Clamava para que se perdesse nos meus lábios, sim eu clamava. Guardei todos esse detalhes na memória, ou diria que minha memória não me deixará esquecer todos esses detalhes?
As pessoas que passam em nossas vidas acabam deixando de algum modo parte delas, sorrisos, olhares, palavras....É engraçado, assumo... 

Ps: para um velho amigo

sábado, 20 de setembro de 2014

''Escrever é tantas vezes lembra-se do que nunca existiu. Como conseguirei saber do que nem ao menos sei? Assim: Como se me lembrasse. Como um esforço de "memória", como se nunca tivesse nascido. Nunca nasci, nunca vivi: mas eu me lembro, e a lembrança é em carne viva.'''

Clarice Lispector
Postagens mais recentes Página inicial

Copyright © Pensamentos inusitados | Traduzido Por: Mais Template

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes